¹

16.8.12

DE OLHO NAS ELEIÇÕES 2012: JOEL GOMES ESCREVE SOBRE AS DIFERENÇAS ENTRE O POLÍTICO E O POLITIQUEIRO

[Colaboração/ Texto enviado ao blog]

Joel Gomes 
Neste ensaio, gostaria de escrever diferente, infelizmente, enquanto não tivermos a disciplina Política na grade de ensino, a nível nacional, lamentaremos por muitos anos e tentaremos explicar o que é política e quem são os políticos. 

Em tempos que precedem as eleições, devemos nos lembrar de que política é uma ciência, uma atividade nobre. Na verdade, a arte de se proporcionar o bem-estar a todos os cidadãos, de bem governar os povos (assim definiu Aristóteles). 

Devemos ter em mente que tudo aquilo vivido pelas pessoas no dia-a-dia de sua existência, de alguma forma, se traduz como resultado de uma ou outra decisão de cunho político. Assim, podemos afirmar com toda a certeza que o político tem em suas mãos o poder, outorgado pelo povo através das urnas para ser usado em prol desse mesmo povo, visando seu bem-estar social e econômico. 

Daí surge nossa responsabilidade diante do próximo pleito. Será necessário que saibamos observar, pois somente assim é que poderemos decidir entre políticos e politiqueiros

Pois bem, a racionalidade na escolha se transmite com as ações em prol do povo e nunca em favor do político. Se trabalhar em favor de si próprio indicando os seus familiares ( filhos, esposas, genros, cunhados, irmãos, tios primos...) para cargos/funções públicas, desalinha-se com a ciência democrática que tem um dos mais sublimes conceitos: escolher, de forma livre e consciente em quem votar, sabendo que aquele voto representa VOCÊ no parlamento. 

As ações dos candidatos eleitos com SEU VOTO serão suas idéias trabalhando pelo povo; 
Serão suas virtudes dedicadas àquele que lhe representará nos próximos anos; 
Será seu futuro no parlamento. 

E para que serve o VEREADOR? É ele aliado do prefeito ou defensor do POVO? Quais as funções determinantes para que ele aja? A quem ele representa: O governo ou o POVO? 

“Para Aristóteles, "o político o que mais quer é produzir certo caráter moral nos seus concidadãos, particularmente uma disposição para a virtude e a prática de ações virtuosas”. Será que assim agem os políticos que você pretende eleger? 

Já o politiqueiro entende que é o dono do poder e, age demagogicamente de maneira equivocada. Impõe suas vontades pessoais, usa de parcialidade e esquece a comunidade. O politiqueiro não tem noção do que significa “coisa pública”, sendo que por diversas vezes destrói o patrimônio público e o mais cruel dos crimes: alicia o necessitado através de benesses. 

O politiqueiro é um homem covarde, de várias personalidades, sendo que escolhe qual delas vai usar para se livrar dessa ou daquela situação se omitindo de suas responsabilidades. O politiqueiro irá tripudiar sobre a legislação, isso é, extingui-la, modificá-la, manipulá-la em proveito próprio. 

O politiqueiro tem visão de porco, só vê aquilo que está à frente de seu focinho. O politiqueiro é aquele arrogante, o verdadeiro pseudo-populista, é traidor, mentiroso, sustenta-se nas intrigas e falácias das falsas palavras. Esconde a todo custo os crimes que praticou e afirma ser falsas as acusações que contra ele pesam. O politiqueiro faz politicagem, não tem fundamentos nem princípio algum. 

Espero que não tenhamos de gritar: "Hannah, estás me ouvindo, onde te encontrares levanta os olhos Hannah".


Joel Gomes Pessôa
Joel Gomes é formado em Direito, vereador de Tuparetama e Presidente do PR municipal.

Um comentário:

Marcelo disse...

Governos são responsáveis na medida em que os cidadãos podem discernir se os governantes estão agindo de acordo com os seus interesses e sancioná-los apropriadamente, de forma que os governantes que satisfazem os cidadãos permanecem em seus postos e aqueles que não os satisfazem perdem suas posições. A responsabilidade política é um mecanismo retrospectivo, no sentido de que as ações dos governantes são julgadas a posteriori, em termos dos efeitos que causam.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...