¹

²

21.4.17

GEORGE SILVA, UM MULTI-ARTISTA DE ARCOVERDE




ALGO MISTERIOSO
George Silva
Outubro/Novembro de 2016

O sertão contém mistérios
De procedência natural e singela
O retorno do papa lagarta
O malassombro no mourão  da cancela
O inseto minúsculo sem osso
O passo ferreiro martela.

O arco-íris em tese revela
O manifesto da cor preferida
A lenda do pote de ouro
Só interrompe a chuva querida
Removendo a nuvem escura
Com um chuvisco de despedida.

Sertanejo caminha pra lida
Sem garantia nenhuma de inverno
A seca medonha maltrata
É castigo do pai eterno
Tem hora que está tão quente
Que eu penso que estou no inferno.

Malassombro vestido de terno
Que de medo a gente se mija
Desafia nossa coragem
Alma penada que exija
Que em nome do satanás
Judas, Pilatos, Caifás
Arranque sua butija.

O fute que se corrija
Papa figo é bicho cotó
Corda só presta de agave
Bucha forte de mororó
Tanajura só presta torrada
São João se tiver forró.

Casca de pau e cipó
Reza raiz, aguardente
Ramo, folha e espinho
Roçado, fruto e semente
Mel de abelha ou engenho
Garrafada que cura gente

Dona de pouca patente
Rezadeira  muito sabida
Balança o credo e a reza
Da munheca ficar doida
Desidrata o pião roxo
E a fulô de Margarida

Misteriosa e colorida
Mais bela que o sanhaçu
Historicamente mais esperada
Que a própria safra de imbu
Macia, incrível e perfeita
Bela flor de mandacaru.

Ágil feito um tatu
O vermelho se torna azulão
O canto da mãe da lua
O Esturro do bicho papão
Camuflagem mais que perfeita
Quem possui é o camaleão.

Se a luz do lampião
Não é clara feito o dia
Considere o vaga-lume
Com lanterna sem energia
A noite vira um teatro
De luzes na freguesia.

Bacurau não enxerga de dia
Bendito o romeiro que canta
Vassoura no canto da porta
Qualquer visita espanta
Vovó nem se quer varre
A casa na semana santa.

Um café depois da janta
Uruçu, onça e ticaca
Por mais que você insista
Não se pega de arataca     
Tizíl faz trampolim
Da cabeça de uma estaca.

O ferro de fazer faca
Sacudiram no porão
A forma da cuia e cabaça
Ta nas águas do cacimbão
Fruta de palma e gogoia
Ta difícil de ver no sertão.

Papa figo trajado em gibão
A caipora apita na mata
Gorgulho devora o feijão
Praga de inseto primata
Cigarra gasguita do cão
Grita tanto que a goela dilata

Digno de serenata
Tudo aqui é mais formoso
A lua prateia a caatinga
O sol desponta vistoso
O céu é peculiar
Não é fácil desvendar
O sertão misterioso.

Publicado no blog De Primeira Categoria

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...