IMAGEM DO DIA

IMAGEM DO DIA

18.11.19

SAÚDE | Tuparetama, Quixaba, Santa Terezinha e Ibimirim resistem a entrar no SAMU Regional. População ficará descoberta


Do blog de Nill Junior

Parece incrível, mas pelo menos quatro das 35 cidades que compõem a região de atuação das VI, X e XI Geres não querem entrar no time das que integram o Consórcio para a regulamentação do Sistema de Atendimento Médico de Urgência – SAMU. São elas: no Pajeú, Tuparetama, gerida pelo prefeito Sávio Torres (PTB), Quixaba, de Tião de Gaudêncio (PR) e Santa Terezinha, do Prefeito Vaninho de Danda (PR). Ainda Ibimirim, do Prefeito Arnaldo Bodegão, do PP. I

A questão estourou com uma entrevista do Secretário Executivo de Saúde de Serra Talhada, Aron Araújo, ao radialista Anderson Tennens, na Cultura FM. O blog apurou mais e verificou que o custo de ingresso no Serviço, determinante para salvar vidas na região, é de 55 centavos por habitante. Assim, Tuparetama teria custo mensal de R$ 4.492,00 com a manutenção do serviço atendendo a cidade. Quixaba, R$ 3.759,25 mensais. Em Santa Terezinha, R$ 6.498,25. Ibimirim, R$ 16.079,25. Iguaracy, que avalia a adesão, R$ 6.696,25. 

O Ministério da Saúde deu um prazo de 90 dias sob pena de devolução dos recursos para o serviço começar a funcionar. Em setembro, houve a primeira reunião para definir e pactuar um Modelo de Gestão do SAMU no atendimento aos municípios. Para muitos, o modelo definido foi o melhor e mais fácil de adesão. “O custo final ficou muito menor do que muitos imaginavam. Entrar ou não é questão de decisão política para salvar vidas. Não tem desculpa”, disse um nome da região que acompanha as reuniões em reservas. 

O SAMU é o Serviço de Atendimento Móvel que atende os casos de urgência e emergência. Foi criado em 2003 e faz parte do Política Nacional de Urgências e Emergências. O serviço presta socorro a população nas residências, locais de trabalho e vias públicas. A equipe é composta por condutores de ambulância, técnicos em enfermagem, enfermeiros e médicos, todos capacitados em atendimento de urgência de natureza traumática, clínica, pediátrica, obstétricas e psiquiátricas. É responsável pela regulação de todos os atendimentos de urgência via telefone, pelos atendimentos móveis que dispensam as viaturas e pelas transferências de pacientes aos hospitais. 

Nas cidades que resistem, será criado um imbróglio. Imagine a repercussão de um acidente que teria cobertura nas maiorias da cidade na área com atendimento de emergência, mas que não terá vidas salvas porque o prefeito decidiu não aderir. Tanto que o MP tem acompanhado e promete acionar as prefeituras que anunciaram não ingressar.

LEIA TAMBÉM

MP avisa: vai apurar e cobrar municípios que não ingressarem no SAMU no Sertão
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...